sexta-feira, 6 de julho de 2012

As regras da arte de bem viver na sociedade moderna


Fotos de João Vasco

Estreia hoje na Malaposta, em Odivelas, junto ao Senhor Roubado (com acesso por Metro),a peça “As regras da arte de bem viver na sociedade moderna” de Jean Luc Lagarce e interpretado por Teresa Mónica com encenação de Manuel Coelho, figurinos de Manuel Moreira e Cenário de Natércia Costa.

Viver entre nascer e morrer seguindo regras e princípios sem questionar os códigos apenas aceitando-os e compreendendo as razões das regras por mais absurdas que sejam. Do batizado à viuvez há todo um caminho com normas socialmente definidas; não as contrariar ajuda, parece!

O autor nasceu em França em 1956 e morreu no ano de 1995. Pelo meio, entre outros textos que escreveu, foi também encenador e co-fundador da companhia “Le Théâtre de la Roulotte” onde levou à cena, para além dos seus próprios textos autores como Kafka, Ionesco, Molière ou Wedekind.








Em cena até 22 de Julho. Telefone de contacto: 21 938 31 00

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Três Mulheres


Fotos de João Vasco para o jornal Ensino Magazine

As três mulheres de Sylvia Plath, com, da esquerda para a direita, Margarida Cardeal, Raquel Dias (que também encenou) e Ana Moreira. "Poema dramático sobre a maternidade e a criação artística", em cena na Malaposta até 20 de Maio. Depois, as três mulheres viajam para Angola onde, de 21 a 31 deste mês, vão participar no Festival Internacional de Teatro daquele país.

Vejam aqui as fotos e passem pela Malaposta, em Odivelas.














 Ana Moreira


Raquel Dias



Margarida Cardeal

sábado, 7 de abril de 2012

The Ballis Band são os vencedores do 8º Concurso de Bandas de Garagem de Setúbal









Fotos de João Vasco para o Ensino Magazine


Depois de terem surgido em 2006 chegaram de Évora, logo após terem vencido o concurso de bandas promovido pela câmara municipal de Grândola para, desta vez, vencerem a 8ª edição do Concurso de Bandas de Garagem de Setúbal.

Para isso acontecer tiveram que começar por serem selecionados para participarem, entre dezenas de projetos, depois de foram apurados para a final, incrivelmente por repescagem das eliminatórias ( segunda banda mais votada das eliminatórias), finalmente, numa das maiores discussões de sempre da parte do júri, venceram, perante as bandas Jumbo Limbo, de Setúbal, os Planeta Vaca de Penascoso, os Darwin Hipnoise de Vila Franca de Xira e os Wind Koala, também de Setúbal. Os The Ballis Band gravaram o seu primeiro trabalho já este ano e dizem ser portadores de uma batida influências do Blues e do Rock. Ana Mira é a voz, João Costa está no baixo e na guitarra, João Vieira guitarra, Pedro Pinto nas teclas, baixo e coros, finalmente Sérgio Bolota na bateria.

Um currículo a crescer depressa nos últimos tempos. Para ver e ouvir clicar aqui

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Mísia: Senhora da noite


 Foto de João Vasco

Mísia apresentou ontem, no teatro São Luiz, em Lisboa, o seu décimo álbum “Senhora da Noite”. O trabalho escrito só por mulheres, como Agustina Bessa Luis, Helia Correia, Lidia Jorge, assim como cantoras e fadistas, como Amália Rodrigues, Adriana Calcanhoto, Amélia Muge, ou a própria Mísia, sempre partindo do fado tradicional.

Um concerto com a fadista Mísia é sempre um reinventar do próprio fado. Mísia estará no próximo dia 8 de Março no Cineteatro Eduardo Brazão, em Valadares, Gaia, fazendo parte de um programa denominado Concertos íntimos e que conta também com as vozes de Rita Guerra (16 de Fevereiro), Teresa Salgueiro (12 de Abril) e Né Ladeiras (10 de Maio).

No próximo dia 22 de Março Mísia canta Vasco Graça Moura, no Auditório do Teatro Campo Alegre, no Porto.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Jardim BuddhaEden - Apontamento

Foto de João Vasco

Jardim situado na Quinta dos Loridos, Carvalhal no concelho do Bombarral (norte de Lisboa).
"(...) Pretende-se, que o Buddha Eden Garden seja um lugar reconciliação. Sem nenhuma tendência religiosa, abrimos as portas, a todas as pessoas, independentemente, da religião, etnia, nacionalidade, sexo, idade, condição cultural ou social, convidando à união, comunicação e meditação, como forma de redescobrir a felicidade. Ambicionamos, assim, percorrer o caminho contrário à destruição do ser humano e disseminar a cultura da paz (...)".

Mais informações clicar aqui

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Chalet da Condessa d’Edla - Sintra

Foto de João Vasco 

2º lugar do Concurso de fotografia sobre a Biodiversidade no outono
Promotor: Empresa Monte da Lua
"O Chalet da Condessa d’Edla foi construído pelo Rei D. Fernando II e sua segunda mulher, Elise Hensler, Condessa d’Edla, entre 1864-1869, na zona ocidental do Parque da Pena, segundo o modelo dos Chalets Alpinos então em voga na Europa.

Localizado no extremo oposto do Parque, face ao Palácio da Pena, o Chalet mantinha com este uma importante relação visual, acentuada pela proximidade de um dramático conjunto de blocos de granito, as Pedras do Chalet, como mostram fotografias da época, hoje obliterada pelo crescimento vegetal.

Foi concebido como uma construção de recreio, de carácter privado, onde o casal se dedicou ao arranjo paisagístico da zona envolvente, criando um novo jardim (Jardim da Condessa).

Após a morte de D. Fernando em 1885, o Parque da Pena e todas as suas construções, incluindo o Palácio e o Chalet, foram deixados em herança à Condessa.

Sob forte pressão pública, este testamento foi contestado pelo filho de D. Fernando, o Rei D. Luís, acabando o Estado por acordar com a Condessa, em 1889, a aquisição destes bens, ficando esta como usufrutuária do Chalet e do Jardim envolvente.

Em 1904, a Condessa renuncia a este usufruto. Após a queda da Monarquia em 1910, o Palácio transita para a tutela do Ministério da Fazenda e o Parque e Chalet para a das Matas Nacionais (Ministério da Agricultura).

Esta gestão separada de um conjunto - Parque e Palácio - concebido com uma unidade notável manter-se-á quase um século, voltando apenas a ser reunida em 2007. Se o Palácio foi sempre visitado, o Chalet, albergou unicamente usos pontuais: sabe-se que o Presidente da Republica Manuel Teixeira Gomes o utilizou em férias de Verão; que foi cedido para colónias de férias; e que albergou alunos de Engenharia Florestal em trabalhos de campo no Parque.

Em 1994, o Conselho de Ministros entregou a tutela do Parque da Pena ao Ministério do Ambiente, que encomendou imediatamente um Plano de Recuperação e Valorização, coordenado pelo Instituto Superior Técnico em colaboração com a Universidade de Aveiro. Este plano incluiu um minucioso levantamento do Chalet, um projecto para o seu restauro e a colocação de uma cobertura provisória para suster a sua degradação, mas não chegou a ser posto em prática.

Foram porém os levantamentos arquitectónicos e fotográficos realizados para este projecto, que fundamentalmente permitiram a recuperação do Chalet hoje patente ao público.

Em Julho de 1999, na sequência de continuado abandono, o edifício foi alvo de um incêndio de origem alegadamente criminosa, que destruiu o seu interior e coberturas, deixando apenas as paredes de alvenaria de pedra a cal.

Em 2000 foi constituída a sociedade de capitais exclusivamente públicos Parques de Sintra – Monte da Lua, SA (PSML) a quem foi confiada a gestão das principais propriedades do Estado situadas na zona da Paisagem Cultural de Sintra, Património da Humanidade, nomeadamente o Parque da Pena e o Chalet.

Em Agosto de 2007, na sequência de uma bem sucedida candidatura ao fundo EEA-Grants (fundamentalmente financiado pela Noruega) a PSML iniciou a recuperação do Chalet

Entretanto, através de uma segunda candidatura ao mesmo fundo, o jardim envolvente foi também restaurado, passando o conjunto Chalet e Jardim, até aqui desconhecidos do público, a constituir um inédito e brilhante novo pólo de atracção do Parque da Pena."

In: http://www.parquesdesintra.pt/chaletdacondessa/

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Casa das Histórias

foto de João Vasco

Janeiro é mês de visitar a Casa das Histórias de Paula Rego, em Cascais. Na imagem um pormenor do "oratório" - trabalho da artista (até 5 de Fevereiro).
Apareçam com a família.